VARIAÇÃO ESPACIAL DE FITONEMATOIDES EM ÁREA DE CULTIVO DE FEIJOEIRO APÓS ERRADICAÇÃO DE GOIABEIRAS

C. L. P. Abade, E. M. R. Pedrosa, T. F. S. Vicente, D. A. H. S. Leitao, A. A. A. Montenegro, M. R. Rolim, L. M. P. Guimaraes

Abstract


O manejo de nematoides parasitas de plantas é complexo e requer entendimento de como as práticas de manejo afetam a estrutura da comunidade desses parasitas e, consequentemente, a variação espacial de suas populações. Este trabalho teve como objetivo analisar variações na estrutura e distribuição espacial de fitonematoides, em área de cultivo de feijoeiro caupi após erradicação de goiabeiras. O estudo foi realizado na Fazenda Nossa Senhora do Rosário no município de Pesqueira-PE. As amostras de solo e raiz
foram coletadas em 2012 e 2015, em malha de 10×10 m, com 64 pontos, e os dados submetidos à análise de geoestatística. Durante o cultivo da goiabeira, exclusivamente a distribuição de Meloidogyneno solo apresentou forte grau de dependência espacial, ajustando-se ao modelo exponencial. Após a erradicação das goiabeiras e cultivo de feijoeiro, as populações de Pratylenchuse Helicotylenchus no solo passaram a apresentar forte dependência espacial, ajustando-se ao modelo esférico, enquanto os bacteriófagos, 
especialmente Rhabditidae, ajustaram-se ao modelo gaussiano. A densidade de Meloidogyneno solo foi baixa não apresentando dependência espacial, ao contrário da raiz, onde o nematoide mostrou dependência espacial moderada, ajustando-se ao modelo esférico. Todos os gêneros de nematoides encontrados nos dois períodos de estudo apresentaram alcance maior que 10 m. A falta de um manejo adequado, caracterizado 
pela introdução de hospedeira susceptível (feijoeiro) ao nematoide deu continuidade aos problemas, aumentando a densidade populacional e disseminação no solo de importantes fitoparasitas.


Keywords


manejo, Meloidogyne, Pratylenchus, Psidium guajava, distribuição espacial, estrutura trófica, Vigna unguiculata

Full Text:

PDF